O Banco de DNA de Espécies da Flora Brasileira do Jardim Botânico do Rio de Janeiro busca conservar informação genética representativa da alta diversidade da flora brasileira, sendo um registro histórico da variação vegetal e uma base para a conservação e para a biotecnologia.

O principal critério para inclusão de amostras nessa coleção é que sejam provenientes da flora nativa brasileira e que se encaixem em uma ou mais das categorias listadas abaixo:

  • Espécies relevantes dos diversos biomas

  • Espécies raras e/ou ameaçadas

  • Espécimes de herbário

  • Coleções do arboreto

  • Grupos taxonômicos de interesse científico

As amostras de DNA que compõem a coleção são obtidas de folhas jovens, imediatamente secas em sílica gel, ou coletadas em nitrogênio líquido.

O DNA celular total é extraído através do método descrito por Doyle & Doyle, 1987, com pequenas modificações, produzindo amostras puras o suficiente para não inibir tratamentos enzimáticos. Sua quantidade e qualidade são avaliadas através de eletroforese em gel de agarose e por meio da Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) (Sambrook, J. & Russell, D.W., 2001). O DNA extraído é mantido em ultrafreezer, à -80oC.

O Banco de DNA de Espécies da Flora Brasileira do Jardim Botânico do Rio de Janeiro foi credenciado pelo Conselho de Gestão do Patrimônio Genético para atuar como fiel depositário de amostras de componentes do patrimônio genético, conforme publicado no D.O.U por meio da deliberação no 128 de 01 de setembro de 2005, Seção 1, No 177, página 79.

Bibliografia

Doyle J.J. & Doyle J.L. (1987). A rapid DNA isolation procedure from small quantities of fresh leaf tissues. Phytochem Bull 19:11-15.

Sambrook, J. & Russell, D.W. (2001). Molecular Cloning: A Laboratory Manual, 3rd ed., Cold Spring Harbor Laboratory Press, Cold Spring Harbor, NY.

Responsável: Luciana Franco


 http://www.herbariovirtualreflora.jbrj.gov.br/jabot/herbarioVirtual