Tem como objetivo a conservação ex situ de sementes de espécies nativas. Desempenha um papel fundamental na preservação de espécies como recurso natural, permitindo o seu uso futuro em programas de recuperação e reintrodução atendendo ao cumprimento de metas da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB).

É uma das ferramentas mais eficientes e economicamente viáveis de conservação ex situ destinadas ao desenvolvimento de pesquisas e ao fomento de sementes para produção de mudas no Horto Florestal do Jardim Botânico. Está vinculado ao Laboratório de Sementes do Jardim Botânico.

Responsável: Antônio Carlos Andrade


De acordo com o protocolo de conservação, as sementes recém coletadas são registradas e avaliadas quanto às suas características físicas e fisiológicas (massa, teor de água, viabilidade, etc.). Em seguida, as sementes são desidratadas (18°C; 18% URar) para redução do seu teor de água até 7-5% e acondicionadas em embalagens herméticas. Ao final dessa etapa as sementes são armazenadas em baixas temperaturas (10° ou -20°C) com o objetivo de reduzir seu metabolismo e permitir a conservação de sua viabilidade por longo tempo. As sementes de espécies (i) ameaçadas, (ii) endêmicas, (iii) medicinais, (iv) utilizadas para a restauração ecológica e reabilitação do ambiente e (v) de importância econômica local são prioritárias para a conservação em bancos de sementes.

No ano de 2014 a equipe do Banco de Sementes registrou a conservação de 590 acessos provenientes de 230 espécies. Nesse período, o Banco de Sementes recebeu dez visitas técnicas envolvendo instituições de ensino (médio e superior) e centros de pesquisa (EMBRAPA). Além disso, a equipe do Banco de Sementes realizou atividades de treinamento com a Dra. Márcia Bacelar (Banco de Sementes da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte – FZB-BH) e do Sr. Lucas Sigefredo (Diretor Técnico do Jardim Botânico de Inhotim – MG).

A partir do projeto “Conhecimento e Conservação da Flora Brasileira: os futuros desafios das coleções biológicas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro”, coordenado pela Assessoria de Coleções e com a participação da Curadoria do Banco de Sementes, foram disponibilizadas informações para consulta pública no sítio do JABOT http://aplicacoes.jbrj.gov.br/jabot/v2/consulta.php) sobre os acessos de sementes conservados no Banco de Sementes do JBRJ. No momento, os dados do Banco de Sementes estão sendo transferidos paulatinamente do programa Brahms para o sítio do JABOT.

Após a divulgação do “Index Seminum – 2014”, publicação que cataloga as espécies cujas sementes estão disponíveis para intercâmbio com instituições brasileiras, o Banco de Sementes recebeu solicitação de intercâmbio de diversas instituições nacionais de pesquisa e ensino. O Banco de Sementes foi responsável também pela solicitação de 19 doações de sementes de aproximadamente 30 espécies medicinais com jardins botânicos europeus. Na ocasião recebemos 30 “Index Seminum” de jardins botânicos estrangeiros e que estão à disposição para consulta e solicitação de intercâmbio.

 http://aplicacoes.jbrj.gov.br/pesquisa/banco_sem/INDEX_SEMINUM_2014_JBRJ.pdf

http://aplicacoes.jbrj.gov.br/jabot/v2/consulta.php